32°C 19°C

São Paulo, SP

28°C 17°C

Curitiba, PR

31°C 18°C

Belo Horizonte, MG

37°C 20°C

Rio de Janeiro, RJ

23°C 17°C

Porto Alegre, RS

28°C 24°C

Salvador, BA

Quinta-feira, 01 de Novembro de 2018 - 15h52

Linhas celulares pós-pagas crescem mais de 13% nos últimos 12 meses

Agência Brasil

Foto: Reprodução/Divulgação

 

O Brasil registrou aumento de 13,16% de linhas de celular no sistema pós-pago entre os meses de setembro de 2017 e setembro de 2018, confirmando tendência de migração de linhas pré-pagas para pós-pagas observada nos últimos meses. De acordo com dados divulgados na quarta-feira (31) pela Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel), em julho de 2018 as linhas móveis pós-pagas detinham 41% de participação de mercado, frente 59% de linhas no sistema pré-pago.

 

Os dados da Anatel também mostram que, em setembro de 2018, aparelhos celulares que usam tecnologia 4G correspondiam a mais da metade do mercado, respondendo por 54% do total, com 125 milhões de linhas, seguidos de aparelhos com tecnologia 3G, com 63 milhões de linhas e 27% do mercado, e dos 2G, com 26 milhões e 11% do mercado. As linhas voltadas a aplicações máquina-máquina (M2M) totalizaram 18 milhões de unidades e respondem por 8% do mercado.

 

Redução de linhas 

De acordo com a Anatel, o Brasil registrou 234,25 milhões de linhas móveis em operação em setembro de 2018. O número apresenta uma redução de 111.806 linhas em relação a agosto de 2018. Nos últimos 12 meses, houve redução de 6,8 milhões de linhas no país.

 

Na contramão da tendência nacional, o estado de Roraima registrou o maior aumento no número de linhas percentualmente, com a entrada de 38.406 linhas móveis, aumento superior a 8% na comparação entre os meses de setembro de 2017 e 2018. Em seguida está o Amapá, com aumento de 35.693 linhas, que corresponde a mais de 5%.

 

O Amazonas, Espírito Santo, Pará e Acre também registraram aumento no número de linhas, enquanto todos os demais estados e o Distrito Federal apresentaram redução. A maior queda foi registrada no Distrito Federal, com redução de 431.014 linhas, queda de 8,4%.

 



publicidade:

publicidade:

publicidade: